quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

falta de cultura, o mal do país, nem o desporto se escapa

ontem frederico gil carimbou a passagem à 3ª ronda do open da australian em ténis, um dos 4 grand slams, os maiores torneios de ténis do mundo. ora, já li de tudo na imprensa e no facebook, já li que o gil vai atingir o top 10 do ranking??? já li que o feito do gil é inédito, quando na realidade é mentira, em 2009 a júnior (na altura) michelle larcher de brito atingiu a 3ª ronda em roland garros (portanto é inédito apenas no sector masculino).
analisando é de facto um resultado interessante mas que no geral é pobre, frederico gil já está na fase descendente da carreira, penso que tem 27 ou 28 anos, e raramente conseguiu atingir quadros principais de grand slams, quando conseguiu esse feito perdeu sempre na primeira ronda, não sei se atingiu alguma vez a 2ª ronda, tem feito uma carreira considerável na liga secundária do ténis profissional (o chamado challenger tour) ele e o rui machado. o resultado é bom, é óptimo termos um jogador português numa 3ª ronda de um grand slam e acreditem que eu fiquei extasiado, mas não representa nada de consistente, nem sequer é indicador de que alguma coisa no ténis nacional esteja a mudar, aliás na 1ª ronda o gil beneficiou da desistência do adversário.
ora a falta de cultura deste país, faz com que a maioria das pessoas não tenham a noção das evidências, e da relatividade do feito, e com o suporte de comunicação social mal formada e informada, digam asneiras como, "feito extraordinário", "top 10 no horizonte", "imparável"...
só para concluir o ano passado a selecção masculina de ténis de mesa foi medalha de bronze no campeonato da europa seniores masculinos na polónia, feito inacreditável e esse sim impressionante atendendo a muitos factores, mas há um factor básico (basta este), o nº de praticantes da modalidade é impressionante comparado por exemplo com o nº de praticantes de ténis... a única diferença... as marcas interessam-se mais por um do que por outro... e claro os portugueses estão mesmo em crise, crise cultural... e nem o desporto escapa.
força frederico gil

Sem comentários:

Enviar um comentário